logo1

Arquidiocese de Goiânia apresenta programação para as pastorais, obras e projetos sociais

“Quando agimos, a Igreja é que age, pois somos Igreja. E não agimos motivados por pena, mas em resposta ao chamado de Deus.”

 

Na manhã do dia 17 de outubro, foi realizada Reunião com os coordenadores das Obras, Pastorais e Projetos Sociais da Arquidiocese de Goiânia em preparação para o primeiro Dia Mundial do Pobres, que acontecerá no dia 19 de novembro, XXIII Domingo do Tempo Comum. O bispo auxiliar e coordenador arquidiocesano de pastoral Dom Moacir S. Arantes, iniciou a manhã com uma oração e ressaltou a missão caritativa da Igreja, destacando sua motivação genuína e a ação de cada cristão: “Quando agimos, a Igreja é que age, pois somos Igreja. E não agimos motivados por pena, mas em resposta ao chamado de Deus”.

Padre Max Costa, coordenador da Encontro Arquidiocesano do Dia Mundial dos Pobres, destacou que a reunião acontece, primeiramente, como uma resposta à convocação do Papa Francisco para a participação de toda Igreja nessa celebração, e depois, o intuito maior é envolver as obras, pastorais e os projetos sociais da arquidiocese na programação do Dia Mundial do Pobres e, também, organizar o primeiro o Prêmio Solidariedade.

Dom Moacir destacou que a Igreja, os papas e atualmente o Papa Francisco, sempre demostrou preocupação e cuidado muito grande, com o imperativo de se manter fiel à sua vocação de estar a serviço das pessoas no mundo, sobretudo daquelas que têm as carências mais profundas, as fragilidades mais aparentes e as feridas mais expostas. Por isso é que são tomadas essas iniciativas de ajudar a Igreja a lançar um olhar sobre certas realidades que estão, às vezes, diante de nós e que clamam por uma resposta de amor. O bispo explicou que Arquidiocese de Goiânia, no Dia Mundial do Pobres, realizará um encontro de formação sobre a realidade da pobreza em suas diversas formas e que não se limitam aos bens materiais. “Atualmente existe um empobrecimento muito grande da pessoa humana, dos valores e assim por diante. E para isso nós convidamos, para esse encontro, os representantes das diversas pastorais, movimentos e obras sociais católicos e as pessoas atendidas. Queremos, nesse dia, também, reconhecer o empenho e o zelo com que esses nossos irmãos e irmãs realizam seu serviço, como Igreja, em favor dos necessitados. Por esse motivo, pensamos e criamos o Prêmio Solidariedade, como uma forma de chamar a atenção sobre o bem que está sendo feito e valorizar aqueles que estão realizando esse bem em favor dos mais necessitados.

Segundo Flávia Ferreira Conceição, representante da Creche Anjo da Guarda – obra Dom Orione, da Paróquia Rosa Mística, as obras, pastorais e projetos, tal como ela, receberam com alegria a celebração do Dia Mundial dos Pobres e também a iniciativa do Prêmio Solidariedade. “Nós convivemos com essa realidade todos os dias, atendemos famílias carentes e é sempre bom refletir mais acerca de como podemos agir e estar mais próximos. O reconhecimento do trabalho também é um incentivo para prosseguir”, afirma.

O Dia Mundial do Pobres, a ser celebrado no XXXIII Domingo do Tempo Comum, foi instituído pelo Papa Francisco na Carta Apostólica “Misericordia et misera”. A celebração foi inspirada pelo Ano Santo da Misericórdia, especialmente no Jubileu das Pessoas Socialmente Excluídas. No dia 13 de junho de 2017, foi divulgada a Mensagem do Papa Francisco para a ocasião, na qual o Santo Padre destaca a necessidade de se ir ao encontro daqueles que mais necessitam, como vivência profunda do seguimento a Jesus Cristo.
Explicação da escolha da arte

A arte traz como elemento principal a pintura A Volta do Filho Pródigo, de Rembrandt.    

O Filho Pródigo, da parábola contada por Jesus, é aquela pessoa na qual se concentram todas as pobrezas: um moço que perdeu tudo, materialmente, esbanjou seus bens, passou fome, teve o pior trabalho que um judeu poderia ter que é cuidar de porcos, e a fome foi tão grande que ele foi considerado menos importante que um porco, porque nem o alimento do porco lhe permitiam comer. Um jovem que se esvaziou da sua dignidade, afastou-se do pai, e perdeu as amizades que tinha, perdeu tudo e volta para casa dilacerado! Arrebentado, fisicamente e psiquicamente, afetivamente, espiritualmente e no abraço do pai ele reencontra a condição para crescer de novo, para voltar à sua dignidade. Nesse abraço, ele encontra roupa, sandália, anel, carinho, encontra seu lugar dentro da família que é a comunidade. Por esse motivo, essa imagem foi escolhida, também em sintonia com a logo lançada pelo Vaticano para o Dia Mundial dos Pobres, que destaca o encontro, do que ajuda com aquele que necessita ser ajudado, um encontro em que ambos se encontram em suas fragilidades para compartilhar.

 

CARTAZ DIA MUNDIAL DOS POBRES

@Todos os direitos reservados - Matriz de Campinas 2017